quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

       BR 116 POVOADO DO TATU. DESAFIO A MORTE! MORADORES RECLAMAM DE FALTA DE REDUTORES, PROMETEM MANIFESTOS E FALAM DOS ACIDENTES FATAIS NO LOCAL  

Nossa reportagem compareceu na tarde da ultima terça (27) no povoado do Tatu que fica as margens da BR 116, no Entrocamento de Jaguaquara. Nossa equipe foi convidada pelos moradores daquela comunidade para mostrar o perigo em que as pessoas ali convivem todos os dias.
O Tatu possui cerca de 120 habitantes entre crianças adultos e idosos que todos os dias tem que desafiar a morte para atravessar a BR 116 que corta ao meio o povoado. Os veículos e caminhões trafegam em alta velocidade e não respeitam os pedestres. Um automóvel foi flagrado a uma velocidade de mais de 140 Km/h. Ultrapassagens indevida acontecem a todo momento. Acidentes com vitimas fatais acontecem sempre no local. A um ano atrás duas jovens da comunidade perderam suas vidas ao serem atropeladas por um automóvel quando atravessava a rodovia. Um ônibus escolar sofreu uma colisão traseira quando deixava o povoado lotado de estudante com destino ao Entroncamento de Jaguaquara. Por pouco a tragedia não seria enorme. Uma garota de 14 anos foi atropelada a pouco mais de 8 dias quando atravessava a rodovia e por pouco não morreu. Segundo moradores mais de 6 pessoas ja faleceram vitimas de atropelamentos no local nos últimos anos.
Populares revoltados com o descaso pois no local não há se quer um redutor de velocidade vem realizando protestos com intuito de chamar a atenção das autoridades para o perigo em que eles vivem cotidianamente. Com destaque para o ultimo realizado a pouco mais de 8 dias quando houve o atropelamento da garota de 14 anos, quando os moradores interditaram a BR e puseram fogo em pneus e pedaços de madeira, provocando um engarrafamento de mais de 30 km.. Na ocasião a PRF foi acionada e segundo moradores alguns agentes chegou a ameaçar de usar da força contra os manifestantes. 
Uma equipe da Via Bahia que administra a rodovia chegou ao local e conversou com moradores afirmando que daria uma resposta a comunidade em 5 dias. A comunidade confirmou que se alguma resposta não fosse dada eles fariam um manifesto de dimensões maiores. 
Quando nesta ultima segunda (26) um email foi passado a comunidade no qual  o senhor Carlos Bonini Filho assessor de comunicação da concessionaria afirmava que não há nenhuma posição oficial da empresa se comprometendo de construir redutores de velocidade no local. 
Alegando que não é esta a solução, sem dizer qual seria, e que estes redutores de velocidade (quebra molas ) provocariam acidentes de gravíssimas proporções. O que não tem logica na opinião de alguns moradores pois se fizessem os quebra molas, estes por lei tem de ter placas visíveis a pelos menos 150 m do local informando ao condutores. 
A 50 metros do povoado para quem vem de Feira de Santana por exemplo existe uma placa indicando pedestres que quase nunca é respeitada, contudo para quem vai do Entrocamento de Jaguaquara em direção a referido povoado não há se quer uma placa indicando que há pedestres. Próximo ha um posto de atendimento da Via Bahia que quase sempre está fechado.
A Via Bahia também informou via Email que está previsto investimentos na area e que analisaria o pedido dos moradores do Tatu, que disseram a nossa equipe, caso em 30 dias não obter nenhuma resposta concreta convocará a imprensa e fará um manifesto ainda maior.
No local quando a rodovia era estatal foi construído sonorizadores, que não são respeitados pelos motoristas. A vibração no local devido a alta velocidade do carros e caminhões tem provocado destelhamento e rachadura nas paredes das casas do povoado.
Paredes com rachaduras

Fotos Itiruçu Reporter